Dor Ciática

É comum encontrarmos queixa de dor lombar acompanhada de irradiação para membro inferior, no trajeto do nervo ciático.

 

Geralmente a primeira suspeita do paciente é que esse sintoma seja proveniente da coluna lombar, seja ela por uma hérnia de disco, protusão discal ou estenose do canal vertebral.

 

Mas não é somente por essas razões que a dor no trajeto do nervo ciático se torna presente. Alguns músculos, vísceras e ligamentos podem também gerar sintomas nessa região.


Uma das causas muito comuns, principalmente em praticantes de atividade física de alta intensidade, é a compressão do nervo ciático através do músculo piriforme. Essa condição nós chamamos de Síndrome do Piriforme.

 

Outras condições podem ser responsáveis pelo aparecimento desses sintomas, como alterações renais ou intestinais, pontos gatilhos musculares, tensões em ligamentos produzidas por disfunções articulares, entre outras.

 

É importante para o tratamento osteopático que seja realizada uma avaliação criteriosa para que as técnicas sejam direcionadas para a real causa dos sintomas.

Dor Em Ombros

O complexo articular do ombro é composto por articulações, que juntas, permitem uma grande amplitude de movimento. Estruturas como o úmero, escápula, clavícula e esterno se articulam permitindo esse grau de liberdade nos planos articulares.

 

Além dessas estruturas, o complexo do ombro recebe uma grande quantidade de músculos, sendo o manguito rotador (formado por 4 músculos) o mais conhecido e importante grupo do ombro, e também, o mais comum de ser encontrado lesões em exames de imagem.

 

Esses músculos recebem inervação oriundas da coluna cervical, desta forma, alterações nessa região ou no trajeto dos nervos podem comprometer o bom funcionamento dessa articulação e causar sintomas.

 

A osteopatia, que abrange conceitos de integralidade do corpo, permite uma análise que vai além dessas estruturas citadas acima.

 

Entendemos que componentes craniais, viscerais e posturais também podem causar dores no ombro. Acreditamos por exemplo, que uma alteração no fígado (não se assustem) pode gerar dores referidas principalmente em ombro direito, ou então, dores em ombro esquerdo serem provenientes do estômago.

 

É importante para o tratamento osteopático que seja realizada uma avaliação criteriosa para que as técnicas sejam direcionadas para a real causa dos sintomas.

Cicatriz

As cicatrizes são resultado de algum trauma sofrido pela pele e tecidos, seja por lesões ou cirurgias.

 

A partir delas, é formado fibroses e aderências no tecido conjuntivo, não permitindo a mesma flexibilidade e elasticidade de um tecido em seu estado inicial.

 

Nosso corpo, durante qualquer movimento, necessita do deslizamento de todas as camadas teciduais, garantindo um movimento sem restrição e com menor gasto energético.

 

Cirurgias como as cesarianas, geram cortes em diversas camadas de tecidos do nosso corpo, impedindo esse deslizamento, podendo causar sintomas locais ou à distância.

 

Dores cervicais, lombares, alterações posturais e redução das funções viscerais são um dos achados causados pelas cicatrizes.

 

É válido ressaltar que este processo não ocorre do dia para a noite, podendo levar meses ou anos para se estabelecer.

 

Para a osteopatia é muito importante cuidar da sua cicatriz porquê é possível que ela seja uma das causas de suas disfunções mecânicas atuais ou futuras.

Entorse de Tornozelo

O complexo tornozelo-pé é um dos mais sujeitos à lesão do nosso corpo, seja na prática do esporte, na utilização de saltos ou em um simples desnível de ruas e calçadas.

 

Além de possíveis lesões ligamentares ou de qualquer outra estrutura anatômica, podem ocorrer alterações biomecânicas e disfunções articulares.

 

Esse conjunto de fatores lesionais podem ser responsáveis por adaptações não só nessa articulação, como em articulações superiores, seja no joelho, quadril, pelve e até mesmo na coluna vertebral.

 

Formada essa cadeia ascendente, qualquer estrutura envolvida pode desenvolver sintomas ou apresentar sinais, mesmo anos após o ocorrido.

 

A avaliação de um osteopata pode ajudar a identificar a possível causa dos seus sintomas. 

Efeito Nocebo

Define-se como efeito nocebo, o conjunto de eventos produzidos por expectativas negativas durante o processo terapêutico. A relação profissional-paciente, sugestões verbais e o próprio contexto do paciente (expectativas, crenças e emoções) podem influenciar os resultados clínicos.

 

Uma das causas mais frequentes que mudam a expectativa do paciente, são a utilização excessiva de exames de imagem para diagnóstico e prognóstico, principalmente em segmentos da coluna vertebral.

 

O que acontece com frequência, são profissionais da saúde que "alimentam" a ideia aos pacientes de que a sua percepção de dor é resultado da lesão dos seus tecidos. A divulgação dos resultados com termos técnicos e específicos, e a associação não verdadeira de dor com o que aparece nos exames, podem contribuir de forma negativa, produzindo expectativas e crenças desnecessárias.

 

Associado ao diagnóstico precoce, é muito comum que venham orientações que limitam às atividades diárias do paciente, assim como cuidados em excesso com a postura. Isso aumenta o nível de ansiedade e medo nos pacientes, o que gera a instalação de movimentos mais protegidos e menor atividade física pelo receio de agravar a lesão.

 

Frente a isso, a maior organização de especialidades médicas dos EUA, publicou um parecer recomendando o uso de exames de imagem para o diagnóstico de dor lombar, apenas aos pacientes com déficits neurológicos severos e progressivos, ou com suspeita de patologia grave.

 

É importante que junto ao tratamento osteopático, que seja alterada essa percepção álgica através de uma educação terapêutica da dor, e que o paciente entenda que a causa nem sempre vem de um determinado tecido e sim de uma sensibilização excessiva do sistema nervoso central. Além disso, que o movimento e o retorno às atividades sem limitação fazem parte do processo de melhora da dor e não o contrário. 

Andrew Taylor Still, criador da osteopatia, em apenas uma frase resumiu a filosofia do seu método.

 

Uma vez identificada a lesão, a osteopatia, através de suas técnicas, permite um melhor aporte sanguíneo e nervoso para a região, fazendo com que o corpo encontre o seu equilíbrio.

 

Essa habilidade que o corpo tem em manter o meio interno em equilíbrio, independentemente das alterações do meio externo, é o que chamamos de homeostase.

 

Quando o corpo passa a ter dificuldades em manter a homeostase, a osteopatia fornece as ferramentas necessárias para que se restabeleça essa condição.

 

Assim, entendemos o motivo pelo qual o osteopata, ao finalizar o atendimento, pede o retorno do paciente com um intervalo de pelo menos uma semana.

 

"Sobre a lesão: encontra-a, corrija-a e deixe o corpo agir" 
A. T. Still

Cervicalgia

As cervicalgias são dores localizadas na região da coluna cervical, que muitas vezes pode gerar irradiações para a cabeça, região torácica e membros superiores.

 

Por ser um grupo articular de muita mobilidade, vemos com frequência sintomas localizados nessa região. As causas são variadas, sofrendo influências de articulações próximas, como a articulação temporo mandibular (ATM), ombro e coluna torácica.


Além disso, articulações à distancia, vísceras e cicatrizes (já visto em outra postagem) podem ser responsáveis por dores e limitações nessa região, assim como estresse e ergonomia deficiente no trabalho.

 

A osteopatia, através de técnicas manipulativas, restaura a mecânica dessas articulações, assim como melhora a mobilidade de órgãos e tecidos que influenciam diretamente na cervical.

 

Estudos indicam que o tratamento manipulativo osteopático reduz significativamente os sintomas dos pacientes com cervicalgia, melhorando os níveis de funcionalidade em poucas sessões.

Síndrome do Túnel do Carpo

A síndrome do túnel do carpo consiste na compressão do nervo mediano ao nível do canal cárpico (localizado no punho) podendo causar dor, formigamento e dormência na região da mão e dedos (correspondente ao nervo), sendo predominante em mulheres e mais sintomáticos em períodos noturnos.

A compressão do nervo mediano a nível do punho geralmente acontece pelo espessamento das estruturas que passam pelo túnel do carpo, tendo como possíveis causas o esforço repetitivo, alterações hormonais (como em períodos gestacionais e hipotiroidismo) e inflamatórias. Além disso, traumas diretos sobre a mão e punhos podem ser responsáveis pela compressão nervosa devido às disfunções articulares instaladas.

Diabetes e alterações reumáticas também podem ser causas de sintomas nessa região, assim como deficiência de vitaminas causadas pela alimentação inadequada e alterações no sistema digestório.

Como diagnóstico diferencial, sabemos que a compressão do nervo a nível cervical e/ou no trajeto pelo membro superior, pode ser responsável por sintomas iguais à síndrome, sendo assim, muitas vezes diagnosticada de forma equivocada.

A osteopatia, através de técnicas articulares, musculares, fasciais e viscerais, consegue na maioria dos casos a redução do quadro sintomatológico e, além disso, estudos indicam que a longo prazo, os benefícios são iguais ou superiores à uma intervenção cirúrgica.

A saúde plena do nosso corpo e da nossa mente dependem de alguns fatores importantíssimos (e muitas vezes óbvios) que serão determinantes para a manutenção da vida.

Primeiro, devo ressaltar a importância da alimentação e da atividade física, pois esses desencadearão uma cascata de outros fatores não menos importantes para nossa saúde. 

O primeiro, sugere a máxima verdadeira 'nós somos o que nós comemos'. Muitas patologias começam no intestino e é dele que produzimos grande parte da serotonina, importante neurotransmissor que contribui para regular nosso humor, nosso sono, entre outros. O segundo, além desses já citados, traz uma imensidão de outros benefícios já conhecidos por todos nós.

A partir de uma boa alimentação e de uma atividade física regular, conseguimos uma melhor noite de sono (que é o grande reparador dos nossos sistemas) e a diminuição do estresse, que é um dos grandes vilões da nossa saúde física e mental.

Diante desses 4 fatores (alimentação, atividade física,  sono e redução do estresse), você terá uma grande melhora na qualidade de vida.

Hoje em dia sabemos da importância de uma equipe multidisciplinar em torno do indivíduo. Procure um bom nutricionista, um bom educador físico, um bom fisioterapeuta e principalmente faça isso de forma preventiva.

Costumo dizer que tempo, na maioria dos casos, é prioridade. Tenha tempo de preparar seu alimento de forma saudável e de praticar atividade física regularmente, pois caso contrário, precisará de tempo para tratar a doença.

A Osteopatia contribui para a melhora do sono e dos sistemas, através das técnicas craniais e viscerais.

Método Colunas de Pressão

O método Colunas de Pressão de Finet & Willame, ministrado pelo osteopata italiano Massimo Lombardozzi veio para preencher algumas lacunas e proporcionar de forma mais evidente a globalidade do tratamento osteopático.

O método parte do princípio que as pressões intra cavitárias comprometem a vascularização, o funcionamento dos órgãos e altera a postura, impedindo a devolução completa da fisiologia e a capacidade de auto cura do paciente.

Entende-se que o aumento da pressão de uma cavidade (assoalho pélvico, intra-abdominal, torácica e craniana) influência reflexamente sobre as outras, desta forma, o princípio da globalidade fica ainda mais evidente e nos permite confirmar que um sintoma pode ter sua causa em locais à distância.

 

A mobilidade visceral está ligada diretamente a mecânica diafragmática, onde são realizados movimentos sistemáticos a cada ciclo respiratório, assim, qualquer alteração nessa dinâmica visceral e diafragmática pode gerar pressões intra abdominais e em qualquer outra cavidade.

Estas pressões podem causar problemas na coluna vertebral (cervical, torácica e lombar), alterações digestivas (dores e queimações no estômago, refluxo e constipação), alterações a nível craniano (vertigem, zumbidos e enxaquecas) e até mesmo incontinência urinária.

 

Como conclusão, alterações na biodinâmica viscero diafragmática pode ser a causa dos seus sintomas.

Dores Referidas Viscerais no Sistema Músculo Esquelético

Você sabia que suas vísceras/órgãos podem gerar dores músculo esqueléticas?

 Todos já ouviram falar em casos de pessoas que sofreram infartos do miocárdio ou problemas cardíacos e relataram dores no braço esquerdo, dores escapulares ou até mesmo mandibulares.

Assim como o coração, outras vísceras também tem uma relação de inervação com a coluna, cada uma com um nível em destaque, gerando alterações músculo esqueléticas correspondentes.

Com a quarentena ocasionada pelo Covid-19, hábitos alimentares e físicos saudáveis acabaram ficando um pouco de lado, gerando sobrecarga de alguns sistemas, como o gastro intestinal por exemplo, e dores referidas dessas vísceras foram sentidas no corpo.

A Osteopatia atua diretamente na víscera, tirando as informações que perturbam o sistema músculo esquelético, trazendo melhora dos sintomas apresentados.

Dor no Quadril

A dor no quadril é uma queixa muito comum entre os pacientes que procuram a osteopatia. Os diagnósticos que chegam são variados, como a bursite trocantérica, artrose, tendinites e outras.▫️

A articulação do quadril sofre um verdadeiro encontro de forças, podendo vir inferiormente por impactos produzidos pela pisada ao chão e superiormente através do peso corporal. 

Além dessas forças, é muito comum a articulação do quadril trabalhar sobrecarregada devido à falta de mobilidade da região sacro ilíaca. Aliás, esse é um dos princípios da osteopatia, onde entendemos que uma região sem mobilidade gera aumento de mobilidade compensatória em outra região. 

Alterações lombares e sacrais (onde sai a inervação motora dos músculos atuantes nessa articulação e sensitiva cutânea da região), viscerais e pressões intra-abdominais estão entre as causas do quadro sintomatológico no quadril. 

O mais importante para a Osteopatia é entender onde o processo degenerativo da articulação e o quadro álgico iniciaram, a fim de aumentar as chances de sucesso durante o tratamento. 

O tratamento osteopático associado à mudanças no estilo de vida (alimentação e atividade física) permitirá que os desgastes sejam minimizados, assim, promovendo qualidade de vida aos pacientes.

Movimente-se

Cotidianamente aparecem pacientes no consultório com dores lombares, e junto a eles, ressonâncias magnéticas e preocupações pelos achados na imagem.

Essas preocupações cada vez mais limitam o paciente e levam a idéia que movimentos aceleram o processo degenerativo da região ou que eles podem ser responsáveis por piora dos sintomas. 

É exatamente o contrário; mesmo em crise, devemos pouco a pouco nos movimentar mais e não buscar o repouso absoluto. 

O movimento é o melhor dos tratamentos. Agache, caminhe, faça sua atividade prazerosa. A longo prazo sua coluna, sua mente e todos os sistemas do seu corpo te agradecerão.

Sua coluna nunca foi e nunca será frágil.

Faça uma boa alimentação e pratique atividade física. Associado a isso, seja acompanhado por um osteopata, que além do tratamento, te orientará sobre o seu dia a dia sem restrições e assim, reduzirá as chances de novas crises.

 

 Lembre-se:
✔ Evitar atividades físicas e se mover cuidadosamente não ajudam a longo prazo.
✔O aumento da dor na maioria dos casos não está associado a mais danos na coluna.
✔ Exames de imagem são raramente necessários.
✔ Cirurgias são raramente necessárias.
✔ Postura perfeita não existe.
✔Sono pobre, estresse, crenças e preocupações influenciam na dor lombar.

Dor no Joelho

O joelho é uma articulação muito solicitada no nosso dia a dia e sem os seus movimentos principais teríamos dificuldade em exercer nossas atividades cotidianas. Além dos movimentos, sofre impactos a todo momento.

Por ser uma articulação central dos membros inferiores, sofre grande influência das articulações proximais e distais como o pé e o quadril, e por isso, dificilmente o joelho é o grande vilão da história. Mesmo lesões de menisco, cartilaginosas ou ligamentares podem ser facilitadas por disfunções de estruturas distantes.

Bloqueios articulares em pé em quadril podem levar o joelho a trabalhar dobrado, gerando aumento de mobilidade reacional, ou então, fazer com que o joelho trabalhe fora do seu trilho, assim, causando desgastes patelares ou na articulação tibiofemoral.

É muito comum por exemplo, encontrar uma alteração de mobilidade dos ilíacos (osso da "bacia") nas dores de joelho, ou então, alterações lombares, que são responsáveis por inervar a musculatura que atua nessa articulação.

Alterações nos movimentos das vísceras e suas fascias também podem ser a causa de desequilíbrios que podem gerar dores no joelho. ▫️

CONSULTÓRIO

LARGO DO MACHADO

Edifício Comercial do Largo do Machado

Largo do Machado, 29

Catete - RJ

 

CONSULTÓRIO

BARRA DA TIJUCA/RECREIO

Américas Avenue Business Square

Av. das Américas, 12900

Barra da Tijuca - RJ

 

CONTATO

(21) 98547-1323

Converse Comigo Pelo Whatsapp

  • Instagram

Siga-me no Instagram